Diário de uma boa década

Celso Amorim 25 de junho de 2011 às 10:17h

Em um dos capítulos do seu Diário de Um Mau Ano, publicado em 2007, quatro anos após haver conquistado o Prêmio Nobel da Literatura, J. M. Coetzee contempla com desesperança a tendência de países desenvolvidos, como a Austrália e o Canadá, escolherem governos de direita (a Austrália viria, alguns anos mais tarde, contrariar essa tendência, enquanto o Canadá a confirmaria), apesar de terem diante de seus olhos o espetáculo (sic) nos Estados Unidos de George W. Bush, de para onde um governo com essa característica pode levar. Para o autor, travestido em personagem de si próprio, os eleitores desses países se comportam como “ovelhas assustadas”.

O julgamento de Coetzee não é menos severo em relação ao que observa na Europa, sobretudo nos países do Leste, que teriam trocado a dominação de Moscou pela de Washington, fato especialmente evidenciado pela colaboração/submissão dos seus serviços de inteligência em relação à CIA. O único aspecto animador nesse “quadro sombrio” seria dado pelo surgimento de um punhado de governos progressistas/populistas na América Latina.

Coetzee – ou o escritor que é o personagem do livro – teria o que comemorar com a vitória de Ollanta Humala nas eleições presidenciais no Peru. E todos aqueles interessados em aprofundar a integração sul-americana também. Independentemente de saber se a sua conversão ao “lulismo” teve fins eleitorais ou correspondeu a um processo de amadurecimento político, propiciado em parte pela derrota no pleito anterior, parece claro que Humala vai dar prioridade à relação com seus vizinhos, a começar pelo Brasil. Essa é uma oportunidade a não ser desperdiçada. A integração da América do Sul tem sido um eixo fundamental da nossa política externa, desde que os presidentes Sarney e Alfonsín resolveram enterrar as velhas rivalidades herdadas do século XIX.

Com graus diferentes de intensidade, ela vem sendo perseguida por vários governos brasileiros, inclusive o comandado por Fernando Henrique Cardoso, que teve o mérito de convocar a primeira cúpula de chefes de Estado de toda a América do Sul. O tratado constitutivo do Mercosul foi assinado por Collor e a institucionalização viria a ocorrer, em Ouro Preto, com Itamar Franco. Aliás, é no governo Itamar que pela primeira vez se discute a possibilidade de uma área de livre–comércio da América do Sul, uma ALCSA, em contraposição à Alca. Sarney, Collor e Itamar são senadores e FHC continua a exercer grande influência para além do seu partido.

Coube ao presidente Lula tirar, com determinação, as consequências desse processo. A Unasul, ao contrário do que se diz com frequência, não é fruto de mero voluntarismo, embora, evidentemente, a vontade política tenha tido um forte papel na sua construção. Desde o início, o projeto da Casa (a “comunidade” que depois daria lugar à “união”) fundamentou-se em acordos comerciais, que na prática vieram realizar a ideia de uma área de livre-comércio, proposta dez anos antes. Esta não é nem deve ser uma questão partidária.

É fundamental, agora, trabalhar pelo aprofundamento dos acordos de associação que já unem o Peru ao Mercosul.  Mesmo que o acordo de livre-comércio já existente entre o Peru e os Estados Unidos torne tecnicamente difícil uma adesão do peruano ao Mercosul como membro pleno, entendimentos nas áreas de serviços, investimentos e livre movimentação de pessoas, além de cooperação em programas sociais e obras de infraestrutura, podem contribuir para superar essa limitação.

Base para isso já existe. Hoje, os países que constituem a Aladi, em seu conjunto, já suplantaram tanto os Estados Unidos quanto a União Europeia como parceiros comerciais do Peru, o que evidencia o potencial da integração econômica da América do Sul (embora o México seja membro da Aladi, sua participação no total do comércio Peru-Aladi é relativamente pequena, quando comparada à dos países sul-americanos).

O mesmo raciocínio deve orientar o relacionamento com a Colômbia, mesmo que o TLC com os Estados Unidos seja efetivamente ratificado pelo Congresso de Washington. E é fundamental completar a adesão da Venezuela ao Mercosul, que depende ainda da aprovação do Parlamento paraguaio. Em um mundo cada vez mais marcado pela competição entre blocos (a China e os Estados Unidos são blocos em si mesmos), o nosso bloco é e tem de ser a América do Sul.

Nos últimos dias, a imprensa internacional tem discutido a liderança do Brasil na região, com conceitos e expressões que denotam ignorância das nossas motivações e do contexto político em que estamos inseridos. É hora de provar que os céticos de lá e de cá estão errados e de não decepcionar aqueles que, como o grande escritor sul-africano, viram na nossa região o “ponto brilhante” em um cenário mundial pouco animador. •

Celso Amorim

Celso Amorim é ex-ministro das Relações Exteriores do governo Lula. Formado em 1965 pelo Instituto Rio Branco, fez pós-graduação em Relações Internacionais na Academia Diplomática de Viena, em 1967. Entre inúmeros outros cargos públicos, Amorim foi ministro das Relações Exteriores no governo Itamar Franco entre 1993 e 1995. Depois, no governo Fernando Henrique, assumiu a Chefia da Missão Permanente do Brasil nas Nações Unidas e em seguida foi o chefe da missão brasileira na Organização Mundial do Comércio. Em 2001, foi embaixador em Londres.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: