IBAS – Posições do Brasil

FÓRUM ÍNDIA, BRASIL E ÁFRICA DO SUL (IBAS)

Este constituiu um encontro pioneiro de três países com democracias
vibrantes, de três regiões do mundo em desenvolvimento e atuantes em
escala global, com o objetivo de examinar temas da agenda internacional e
de interesse mútuo. Nos últimos anos, notou-se a importância e a
necessidade de diálogo entre países e nações em desenvolvimento do Sul.
(…) Os Ministros recomendaram a seus respectivos Chefes de Estado e/
ou Governo a realização de encontro de Cúpula dos três países. Decidiram
também intensificar ainda mais o diálogo em todos os níveis, quando
necessário, para organizar encontros de funcionários de alto nível e
especialistas responsáveis por questões de interesse mútuo. Decidiram
manter consultas políticas regulares sobre os itens da agenda internacional,
assim como intercambiar informações sobre questões de cooperação
mútua, a fim de coordenar posições sobre questões de interesse comum.

(…) Os Ministros decidiram denominar este grupo de “Fórum de Diálogo
Índia, Brasil e África do Sul” (IBAS).

Declaração de Brasília. Reunião Trilateral de
Chanceleres do Brasil, da África do Sul e da Índia.
Brasília, 6 de junho de 2003

* * *

O IBAS foi marcado, desde a sua origem, pelo signo do pragmatismo.

Mesmo a concertação político-diplomática sobre os mais diferentes temas
— sejam eles a Rodada de Doha, a promoção da paz e da segurança ou
o combate à fome e à pobreza – é voltada para a obtenção de avanços
concretos.” Mesmo não sendo formado por países do círculo tradicional
de doadores internacionais, o IBAS investe na solidariedade entre
países do Sul. O Fundo IBAS de Combate à Fome e à Pobreza quer
ser um exemplo de como países de menor desenvolvimento relativo
podem se beneficiar das experiências de outros países em
desenvolvimento.

Nota à imprensa. “Discurso do Ministro Celso Amorim
na cerimônia da abertura da Reunião Ministerial do
Fórum de Diálogo Índia, Brasil e África do Sul (IBAS).”
Rio de Janeiro, 30 de março de 2006

* * *

Criado em 2003, o Fórum de Diálogo IBAS desempenha papel cada vez
mais importante nas políticas exteriores da Índia, Brasil e África do Sul.

Tornou-se instrumento útil para a promoção de coordenação cada vez
mais estreita sobre temas globais entre três grandes democracias
multiculturais e multirraciais da Ásia, América do Sul e África, e contribuiu
para dar relevo à cooperação trilateral Índia-Brasil-África do Sul em áreas
setoriais.

Nota à imprensa. “Reunião de Cúpula do IBAS.”
Brasília, 13 de setembro de 2006

* * *

O IBAS é muito mais do que uma construção diplomática. É a expressão
natural de identidades de visão sobre grandes temas internacionais. É
também uma manifestação concreta de objetivos compartilhados por
Brasil, Índia e África do Sul. Somos democracias plenamente consolidadas,
que dão exemplo de convivência harmônica entre as várias etnias e culturas
que formaram nossas sociedades. Somos economias emergentes,
destinadas a ter presença internacional sempre mais relevante. Somos,
também, países que ainda enfrentam o desafio de combater a pobreza
extrema e lograr um desenvolvimento sustentável. Estamos determinados
a avançar na construção de sociedades mais justas e prósperas por meio
de políticas econômicas responsáveis e de um compromisso sem tréguas
com a melhoria das condições de vida de nossas populações mais
vulneráveis. Índia, África do Sul e Brasil também podem oferecer uma
contribuição decisiva para a construção de uma ordem internacional mais
justa, solidária e equilibrada. Estivemos juntos na origem do G-20,
trabalhamos em conjunto na reforma das Nações Unidas. Nossa
capacidade de irradiação positiva em nossas respectivas regiões – África,
América Latina e Ásia – reforça o papel que cabe ao Sul nos principais
debates e decisões internacionais. (…) O que queremos, com o IBAS e
outras iniciativas, é aproveitar melhor oportunidades de cooperação Sul-
Sul antes inexploradas. Isso não quer dizer que o Brasil vá descuidar das
relações com o mundo desenvolvido. Essas duas vertentes de nossa
política externa não são jogos de soma zero. São complementares, uma
reforça a outra.

Discurso do Presidente Lula na sessão de abertura da I
Cúpula do IBAS. Brasília, 13 de setembro de 2006

* * *

O IBAS é, em primeiro lugar, um mecanismo de concertação política
sobre grandes temas da agenda internacional, nos quais temos
significativa identidade. Defendemos o multilateralismo e uma ordem
internacional baseada no direito e na construção de consensos. Somos
favoráveis a uma reforma do Conselho de Segurança das Nações
Unidas que inclua países em desenvolvimento entre seus membros
permanentes. Coincidimos em que a proteção ao meio ambiente é
indissociável do combate à pobreza e do desenvolvimento econômico.
Na Rodada Doha, nossa ação no G-20 dá absoluta prioridade aos
cortes efetivos nos subsídios agrícolas dos países desenvolvidos.
\Estamos convencidos ser necessário um equilíbrio entre os direitos de
proteção à propriedade intelectual e as políticas públicas na área da
saúde. Mas o IBAS é mais do que um instrumento que fortalece a voz
dos países em desenvolvimento nos grandes debates mundiais. Constitui,
também, um instrumento privilegiado para iniciativas concretas de
cooperação trilateral em áreas como a agricultura, comércio, ciência e
tecnologia, energia e transportes, entre outras. Nesta Cúpula, buscaremos
avançar em entendimentos trilaterais nessas áreas.”

“A aliança Índia-Brasil-África do Sul”, artigo do
Presidente Lula no jornal Valor Econômico. São Paulo,
15 de setembro de 2006

* * *

Desde sua criação, em 2003, nossa aliança atraiu curiosidade e enfrentou
ceticismo. Mas, sobretudo, suscitou esperanças. A primeira Cúpula, que o
Brasil teve a honra de acolher, acelerou o processo e mostrou o acerto de
nossa iniciativa. O IBAS expandiu suas atividades e se firmou como
instrumento de aproximação entre nossos três países. Constituímos um
foro de diálogo que confere a nossos países uma presença ainda mais
relevante neste mundo cheio de injustiças e desigualdades. Mostra que os
países em desenvolvimento podem ter uma inserção internacional altamente
qualificada. (…) O IBAS vem mostrando capacidade de interlocução em
vários temas da agenda global. Isso reflete nossa credibilidade, nossa
presença diplomática e nossa capacidade de contribuir para a construção
de uma ordem internacional mais justa e democrática. (…) O Fundo IBAS
para Combate à Fome e à Pobreza é um motivo de orgulho. Traduz, de
forma concreta, uma nova proposta de solidariedade internacional. Somos
países em desenvolvimento que unem suas forças para ajudar os mais
pobres. Provamos que não é preciso ser rico para ser solidário. Foi com
justificada satisfação que recebemos o prêmio da ONU aos projetos
desenvolvidos pelo IBAS no Haiti e na Guiné-Bissau. Estão em estudo
iniciativas que beneficiarão Burundi e outros países pobres da África, da
Ásia e da América Latina.

Discurso do Presidente Lula na cerimônia de abertura
da II Cúpula do IBAS. Joanesburgo, 17 de outubro de
2007

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: