BRIC terá papel fortalecido após reforma do FMI

Reforma terá efeito em 2014

16 de dezembro de 2010 em Valor Economico (SP)

Nova ordem: Peso maior para os Bric foi aprovado ontem, mas há trâmite complicado

Assis Moreira | De Genebra

A reforma que redistribui o poder decisório no Fundo Monetário Internacional (FMI) foi aprovada ontem pelo conselho de governadores da entidade, formado pelos ministros das finanças e presidentes dos bancos centrais, com mais de 85% de votos. Mas o Valorapurou que há o risco de sua implementação de fato só ocorrer em outubro de 2014, por causa de uma série de vinculações.

A reforma confirma o Brasil entre os dez maiores em quotas e poder de voto. E as cadeiras dos países que formam o chamado Bric – Brasil, Rússia, Índia e China – juntas representarão 15,47% e passarão a deter direito de vetonas principais decisões (que exigem 85% dos votos), se continuarem atuando de forma coordenada, numa reviravolta histórica.

Com a reforma, o Brasil estará numa situação inédita, ao lado das demais cadeiras do Bric, pesando sobre as principais decisões do FMI, disse o diretor executivo do Brasil e mais oito países no FMI, Paulo Nogueira Batista Junior, que frisou não estar dando declarações em nome do fundo.

O Brasil foi o segundo país mais beneficiado em aumento de quota e de voto, depois da China. A reforma, porém, não resolve o problema de legitimidade do fundo, pois a transferência líquida de quotas dos países avançados para países em desenvolvimento será de apenas 2,8 pontos percentuais, muito aquém do que o Brasil vinha defendendo. Mesmo quando a reforma for implementada, a influência dos europeus desenvolvidos, com 29%, e dos americanos, com 17%, continuará enorme.

Nogueira Batista nota que essa limitação foi parcialmente compensada pela introdução no acordo, por iniciativa dos Bric, de elementos que asseguram a continuidade da redistribuição de poder. Por exemplo, a revisão da fórmula distorcida do cálculo das quotas até janeiro de 2013, e seu uso para novo realinhamento das quotas até o começo de 2014.

Entre os aspecto negativos, estão algumas vinculações na reforma que tornarão muito difícil sua entrada em vigor antes de outubro de 2012, e isso se houver muito empenho dos países interessados.

A principal dificuldade diz respeito à vinculação entre o aumento das quotas e a mudança no Convênio Consultivo do Fundo, que exigirá que todos os diretores executivos passem a ser eleitos. Acaba com o privilégio de nomeações pelos cinco maiores. A mudança exige 60% dos países membros (são 187) com 85% do poder de voto. Depois, será necessária a ratificação parlamentar, o que não será fácil, ainda mais para os que perderão poder, como os europeus, que terão de passar duas cadeiras da diretoria para países emergentes.

A reforma de 2008, que também envolveu emendas no Convênio Constitutivo, foi aprovada em abril daquele ano e não entrou em vigor até agora, faltando 12 países para que isso possa ocorrer.

Nesse encadeamento das vinculações, é mesmo possível que a reforma ontem aprovada formalmente, e que depende das anteriores, não entre em vigor para a próxima eleição da diretoria do FMI, prevista para outubro de 2012. Assim, só vigoraria depois de outubro de 2014, já que as eleições ocorrem a cada dois anos no fundo. Esse cenário dependerá em parte do empenho dos países interessados em garantir a implementação da redistribuição de poder, o que significa uma dura e longa batalha entre emergentes como o Brasil e desenvolvidos que perdem pluma na economia global.

Incontestável, em todo caso, é que ontem foi concluído um passo importante. O peso do Brasil aumentará, assim como o de Coreia, Índia, Indonésia, México, Rússia e Turquia. Arábia Saudita é o maior perdedor junto com Bélgica, Alemanha e Canadá.

Mas há bom espaço para o Brasil avançar. Sua futura quota (2,316%) e poder de voto (2,218%) ainda ficarão bem abaixo de sua participação média no PIB mundial (2,654%) no período de referencia 2006-2008. Para Nogueira Batista, não restam dúvidas de que se o PIB passar a receber maior peso na fórmula, como o país defende, o Brasil ganhará novos aumentos relativos de quotas na próxima revisão em janeiro de 2014.

A cadeira do Brasil (junto com outros países) também sobe, com 3,35% de poder de voto. Os Bric passam de 10,2% de voto para 13,5%, ficando um pouco abaixo do limite para deter poder de veto na maioria das decisões do fundo (15%). No entanto, as cadeiras comandadas pelos quatro passam na prática a ter o veto, se atuarem juntos. Existe uma aliança que tem de ser confirmada a cada questão, mas sobretudo existe a consciência de que juntos pesam mais.

Anúncios
Comments
One Response to “BRIC terá papel fortalecido após reforma do FMI”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: