O Colapso da URSS

Brezhnev

Mikhail Gorbatchev assume a URSS em 85, quando ela ainda era vista como uma superpotencia. Ele manteve um controle estreito sobre os paises do pacto de varsovia, (doutrina brejnev de soberania limitada), e com uma politica expansionista no terceiro mundo, se lança em uma guerra contra o afeganistao.

Doutrina Brejnev, chamada também de Teoria da Soberania Limitada, ou simplesmente Brejnevismo foi um conjunto de teorias socialistas criado por Leonid Ilitch Brejnev (1906-1982), em adaptação, revisionismo, e modernização do Marxismo-leninismo, para governar a União Soviética, tanto na política externa quanto internamente, durante a segunda metade do século, uma vez que a Rússia havia mudado muito desde as teorias de Lênin, e muito mais ainda desde as teorias de Marx e Engels. Esta doutrina também é considerada “neo-stalinista“, por ser expansionista, agressiva, defender o culto da personalidade e a burocracia no estado. A doutrina fora primeiramente utilizada em 1968, durante as manifestações democráticas e liberalistas na Tchecoslováquia, durante a chamada Primavera de Praga, pois entre outras coisas, defende a hegemonia soviética no mundo comunista. Na prática, a doutrina limitou a independência de partidos comunistas em todo o mundo, não permitiu a saída de qualquer estado do Pacto de Varsóvia, estabeleceu o monopólio político do Partido Comunista, elevou o nível econômico das massas, a população inteira se encontrava no patamar da classe média americana, em exceção de 2,5% do povo, que estava abaixo deste nível; apenas 1,5% da população estava abaixo do nível de pobreza.[1] Esta doutrina, apesar de envocar a paz, causou diversas guerras em nome da hegemonia soviética, entre elas se encontram as bem sucedidas revoluções socialistas em Angola e Moçambique, a invasão do Afeganistão a pedido do governo, a Guerra do Vietnã, o apoio à Indira Gandhi na Guerra do Paquistão, contra os Estados Unidos e China, e outros golpes fracassados em demais localidades (Belize, Guatemala, Congo, Benim e outros)

Diante do movimento Primavera de Praga, Leonid Brejnev criou a doutrina, na qual defendia principalmente, entre outras coisas, que um Estado socialista poderia interferir nos assuntos de outro Estado, com a finalidade de preservar o socialismo. Ele acreditava, que o país deveria intervir nos assuntos internos de seus aliados, acabar com a corrupção e privilégios de membros do partido, bloquear correntes ideológicas contrárias ao comunismo, e invadir os inimigos se necessário. Com esta doutrina, Brejnev transformou a URSS em uma das maiores potências militares do mundo, com o maior grau de poder e influência, além de ter levado seu povo à um alto grau de bem-estar socialista jamais visto em seu país, mas ao mesmo tempo, ao fim de seu mandato, e já com a saúde debilitada, mergulhou em uma crise tão profunda e sem precedentes, que acabou deixando aos seus sucessores uma verdadeira bomba na economia, Iuri Andropov e Konstantín Thernenko fizeram uma boa administração em relação a crise econômica no país, que se recuperava bem, mas a posse do poder soviético nas mãos do revisionista e ainda jovem e inexperiente Mikhail Gorbachov, que quando ministro da agricultura durante o governo Brejnev percebeu que era necessária uma mudança profunda na economia, representou um perigo na gestão do país, que apenas se endividou ainda mais e que em meio a revoltas e manifestações populares, precisou usar do capitalismo para se salvar.[3] Na década de 70, devido ao alto custo dos armamentos e de um atraso tecnológico crescente, enfrentou uma paralização no crescimento econômico da URSS; mesmo assim, em 1979, ordenou a invasão do Afeganistão, numa primeira investida fora dos países do Pacto de Varsóvia, que se transformou numa espécie de Vietnã soviético, durando os combates até 1989, em plena Era Gorbatchev. Ela foi usada pelos dois sucessores de Brejnev em seus breves governos, o de Andropov e de Thernenko, e mais tarde substituída por uma doutrina extremamente contraria e infiel ao pensamento de Brejnev, a Doutrina Sinatra, derivada da canção do artista “My Way” (Meu Rumo), enfatizando que cada país deveria seguir seu próprio rumo. (kkkk, doutrina sinatra é O-TE-MO!)

Gorbatchev disse que a URSS não tinha condições de seguir o EUA de Reagan, que lideravam economica, tecnologica e militarmente. Ele decide então romper com a politica externa berjneviana e diminuir seus gastos militares, limitando os compromissos internacionais e abandonando certas posicoes sovieticas consolidadas. A URSS assina o tratado sobre euromisseis e renuncia aos SS-20, aceitando a ideia de um equilibrio convencional na europa. Essa politica acaba indo alem das expectativas iniciais de Gosbatchev e culmina no afundamento do imperio sovietico.

EUROPA DO LESTE

Desde 1940 aluns paises submissos a URSS manifestaram sua rejeição a dominação sovietica imposta pela força.

– Intervenção na Hungria em 56

– Intervenção na Tchecoslovakia em 68

Em visita a tchecoslovakia em 87, Gorby admite que cada nação deveria viver sua propria vida de acordo com as suas proprias tradicoes.

Tudo se precipita em 89, quando Gorby declara sua politica de não intervenção e diz que mudanças sociais deverão acontecer no interior de cada pais, e não intervem mais em lugar nenhum, com excessao da polonia. Em setembro, a Hungria levanta a cortina de ferro e milhares de alemães da RDA migram para a RFA. Ninguem se opoe a derrubada do muro de berlim em novembro.  Polonia, Tchecoslovaquia, Hungria e Alemanha do Leste adotam demoracias. Mesmo a Bulgaria e a Romenia adotam demoracias.

Em julho de 91, o Pacto de Varsovia se dissolve e as tropas sovieticas se retiram de todos os paises do leste europeu.

ASIA E AMERICA LATINA

A politica no terceiro mundo deixou de ser vista como luta antiamericana, mas um enorme fardo, alem do que, a invasão do afeganistão arruinou a imagem de uma russia amiga e protetora. Em 86 ele retira sua tropas do afeganistao, ao memso tempo em que para de apoiar os movimentos de libertação nacional e se envolver em conflitos regionais. No oriente, a URSS se recusa a ajudar a Siria a ter paridade militar c/ Israel e concorda, sem contrapartida p/ OLP, liberdade de emigração p/ Judeus Sovieticos e renuncia seu tratado de amizade com o Iraque.

Na Africa, a retirada sovietica precipita a queda do regime etiopio e permitem que alngola e mocambique retomem contato com o cidente e tentem sair da espiral de conflitos em que se meteram.

Nas americas, a URSS deixa a Ilha de Cuba em 93 e na Niacaragua, o sandinismo desaparece. Em toda america latina e possivel ver conflitos chegando ao fim, desmobilizacao de guerrilihas e a organizacao de eleicoes autenticas e pluralistas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: